Festas e romarias – DOURO LITORAL

1º trimestre

  • Vila Nova de Gaia, 10 de Janeiro, ou no domingo seguinte – Festa de S. Gonçalo
  • Louredo, Santa Marta de Penaguião, 2 de Fevereiro – Festa da Candelária, com leilão das ofertas e animação a cargo da Tuna de Carvalhais, com baile popular. Cenário da Serra do Marão, por onde ressoam os acordes da tuna, uma das melhores tunas rurais ainda em actividade.
  • Santa Cruz do Bispo, Matosinhos, 3 de Fevereiro – Romaria de S. Brás
  • Ermesinde, Valongo, terça-feira gorda, à noite – Enterro do João
  • Lousada, Meinedo, quarta-feira da terceira semana da Quaresma – serração da velha e baile da pinhata

2º trimestre

  • Melres, Gondomar, sábado e domingo de Lázaro – Senhor dos Passos: há procissão nocturna no sábado, que é mais vistosa que a de domingo, porque todas as casas se iluminam com velas e lanternas. No monte sobranceiro ao rio Douro, acendem-se fogueiras, o que torna o cenário mais impressivo.
  • Póvoa de Varzim, sábado e domingo de Lázaro: procissão das lanternas (sábado à noite) e procissão dos Passos no domingo. Na procissão de sábado, que é nocturna, as crianças seguem empunhando lanternas. A matraca, aqui chamada campanha, ressoa no escuro. Incorporam-se muitos penitentes encapuçados. A procissão de domingo é imponente pelo grande número de figuras bíblicas e anjinhos que nela tomam parte. O povo da Póvoa de Varzim tem grande fervor religioso.
  • Caramos, Felgueiras. domingo de Lázaro: Procissão dos Passos, que percorre as capelinhas da Via Sacra, de feição barroca, conhecidas pelo Calvário de Caramos.
  • Rates, Póvoa de Varzim, domingo de Ramos: Procissão dos Passos, que sai da conhecida igreja românica, de belo recorte rústico.
  • Entre-os-Rios, Penafiel, Quinta-feira Santa – Procissão das Endoenças. Ponte e trajecto iluminado com luminárias. Muito vistoso. Canto da Verónica em várias paragens e sermão do encontro. Procissão muito concorrida e com muita devoção. Atravessa o casario antigo até à beira do rio Douro, passando a subir o povo até ao alto, capela do Calvário, onde termina.
  • Ovar, Semana Santa – procissão do Terro-Terro (nocturna, à luz de archotes)
  • Vila do Conde, Sexta-feira Santa – Feira da Páscoa
  • Póvoa de Varzim, Sexta-Feira Santa – Procissão do Enterro. Canta a Verónica e as “Marias do Aú”, assim chamadas porque o seu cântico, que sucede ao da Verónica, começa pela interjeição latina “Ehu! Ehu, Domine!”
  • Guilhabreu, Vila do Conde, sábado de Aleluia: Queima do Judas. Boneco de palha queimado na fogueira, perante a animação popular. Antes da queima, é lido o testamento do Judas, que contém habitualmente alusões e críticas locais.
  • Póvoa de Varzim, Domingo de Páscoa – Procissão da Ressurreição e à tarde compasso pascal pelas ruas, com as casas todas floridas para receberem a visita de Nosso Senhor ressuscitado. Nas rua ainda se joga o tradicional jogo da pela.
  • Eja, Penafiel, segunda-feira de Páscoa: romaria de Santa Luzia, no sopé do Monte Mozinho, conhecido sítio arqueológico
  • Várzea, Felgueiras, quinta-feira de Páscoa: Festa de S. Jorge – feira de gado, que costuma dar as três voltas rituais à capela. Chamam-lhe também a “feira dos despiques” ou encontro dos namorados porque é a ocasião de as moças retribuirem o folar que os rapazes lhes ofereceram no domingo de Páscoa, retribuição que é feita com a oferta de um doce em forma de coração (antigamente com um lenço com um coração bordado).
  • Arouca, 2 de Maio: festa de Santa Mafalda, cujo corpo incorrupto jaz na igreja do Convento em túmulo de prata e cristal. Era filha de D. Sancho I, neta do nosso primeiro rei. Feriado municipal dada a importância da santa. De manhã, missa solene e à tarde majestosa procissão. A gastronomia local poderá ser apreciada: vitela arouquesa, cabrito da Gralheira, bem como doçaria conventual: barrigas de freira e bolos de S. Bernardo.
  • Urrô, Arouca, 3 de Maio – Romaria da Senhora da Laje ou das Cruzes. A procissão sai da capela da Senhora da Laje e percorre as onze cruzes de granito, onde a esperam os romeiros de cada freguesia para nela se incorporarem. Integra-se nas festividades da Divina Santa Cruz, celebradas a 3 de Maio um pouco por todo o país – v. Barcelos, Monsanto.
  • Aguiar do Sousa, Paredes, 3 de Maio:  Romaria da Senhora do Salto. Local magnífico, em ermo sobre o rio Sousa, onde, segundo a lenda, um cavaleiro conseguiu saltar sobre o desfiladeiro evitando a morte para que o demónio, em forma de lebre, o atraíra. Foi esse cavaleiro que mandou erigir a capela.
  • Matosinhos, 5ª Feira da Ascensão (início no domingo anterior) – Romaria da Senhora da Hora
  • Beiriz, Póvoa de Varzim, Domingo do Espírito Santo – Festa de S. Gonçalo, santo casamenteiro e protector dos pescadores
  • Matosinhos, Domingo do Espírito Santo – Festas do Senhor de Matosinhos
  • Miramar, Gaia, 2º domingo de Junho – Romaria do Senhor da Pedra, cuja capela se situa num penhasco junto ao mar (rodeado pelo mar na maré-cheia). Desde a madrugada acorrem rusgas populares, hoje sobretudo organizadas pelos ranchos folclóricos. Procissão junto ao rochedo. Muita afluência, com muita devoção.
  • Penafiel, Dia de Corpo de Deus – Festividades do Corpus Christi. Na véspera, cavalhada nocturna, com exibição, em frente à Câmara Municipal, das danças tradicionais. Estas exibiam-se outrora durante a procissão religiosa, mas agora actuam apenas pelas ruas da cidade, na véspera e no dia da festa – muito interessante pela animação e colorido, pela variedade musical e coreográfica e pela importância histórica. Na procissão religiosa, de grande solenidade e imponência, segue o chamado Estado de S. Jorge, a serpe, o boi bento, o carro triunfal e as danças, estas apenas como figurantes, porque não actuam no trajecto. Danças populares que saem actualmente: ferreiros, floreiras, pedreiros, pauzinhos, turcos (mouriscada) e pretos, esta com dança das fitas. São danças profissionais procedentes da Idade Média, outrora patrocinadas pelos ofícios e hoje a cargo das associações de bairro e dos ranchos folclóricos. Penafiel é a única localidade portuguesa que as conserva.
  • Santa Maria da Feira, Dia de Corpo de Deus – festa do Corpus Christi
  • Castelo de Paiva, 24 de Junho – festa de S. João
  • Porto, 24 de Junho – Festas de S. João. Arraiais nos bairros populares, sobretudo nas Fontainhas. Cascatas, fogueiras e alho-porro.
  • Sobrado, Valongo, 24 de Junho – Festa de S. João, apresentando como principal ponto de interesse uma interessantíssima mouriscada, luta figurada entre mouriscos e bugios (cristãos).
  • Póvoa de Varzim, 29 de Junho – Festa de S. Pedro. Cada bairro organiza as suas cascatas e as suas rusgas ou marchas. Bailes pela noite fora. Sardinhadas pelos bairros populares.
  • Afurada, Gaia, 29 de Junho – Festa de S. Pedro

3º trimestre

  • Sanfins do Torno, Lousada, 15 de Agosto – Romaria da Senhora Aparecida
  • Rio Tinto, Gondomar, 11 de Julho/Domingo seguinte – Romaria de S. Cristóvão
  • Aguçadoura, Póvoa de Varzim, último Domingo de Julho – Senhora da Boa Viagem
  • Barqueiros, Mesão Frio, 24 de Agosto – S. Bartolomeu
  • Freixo de Cima, Amarante, 8 de Setembro – S. Gens. Cantares ao desafio.
  • Monte da Mó, Arouca, 8 de Setembro – Senhora da Mó

 4º trimestre

  • Gondomar, primeiro domingo de Outubro – Romaria de Nossa Senhora do Rosário
  • Ancede, Baião, 30 de Novembro – Santo André
  • Barqueiros, Mesão Frio, 8 de Dezembro – Nossa Senhora da Conceição
  • Novais, Póvoa de Varzim, 13 de Dezembro – Santa Luzia