Recolhas Musicais

Cascais, 1995

Recolhas musicais – Gravação no terreno da música de tradição oral, para registo, arquivo, conhecimento, estudo e divulgação. Nesta acepção, apenas se está a referir a recolha com magnetofone, vulgo gravador, mas num conceito mais amplo poderá incluir-se também as pautas musicais transcritas directamente de outiva e integradas em colectâneas ou cancioneiros musicais compostos por partituras.

As tradições musicais populares são parte essencial do património cultural do povo português e, nessa medida, o seu registo sonoro reveste-se da maior importância para o arquivo e conhecimento de uma realidade em profunda mutação e para a sua divulgação, não só entre os interessados ou estudiosos da matéria, mas sobretudo para o público em geral que, particularmente nos grandes meios urbanos, se encontra afastado das nossas raízes musicais rurais.

No seio da Fundação Calouste Gulbenkian, nos anos 1960 chegou a constituir-se uma comissão de etnomusicologia, integrada, entre outros, por Artur Santos e Fernando Lopes-Graça, mas infelizmente as iniciativas projectadas acabaram por não se realizar. O Estado Novo promoveu duas grandes iniciativas no domínio das recolhas rurais: em 1939/40, organizou, através da Emissora Nacional, uma recolha musical em todas as províncias, a cargo de Armando Leça, à altura o mais profundo conhecedor da matéria; e em 1972, a RTP produziu, com a autoria de Michel Giacometti e Alfredo Tropa, uma série de programas televisivos que, com o título de “Povo que canta”, constituíram um notável registo fílmico de algumas tradições musicais do povo português, já então em acelerado processo de obliteração. Aliás, já em 1962, também com produção da RTP, Michel Giacometti havia realizado um importante documentário sobre a faina piscatória, denominado “Alar das redes”.

O Estado Democrático, desde 1974, nunca promoveu qualquer iniciativa deste género, razão pela qual as recolhas musicais têm estado a cargo de particulares, muitas vezes a expensas próprias, movidos por mero espírito de boa-vontade. Os principais investigadores que se dedicaram à realização de recolhas sonoras da música rural em Portugal ao longo do séc. XX foram: Armando Leça, Artur Santos, Virgílio Pereira, Fernando Lopes Graça, Ernesto Veiga de Oliveira, Michel Giacometti e José Alberto Sardinha.

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *