Bons Reis Magos

Pereiro, Cadaval

Bons Reis Magos – Forma peculiar de celebrar, cantando, a visita dos Reis Magos ao presépio, praticada na noite de 5 para 6 de Janeiro pelos povos ao redor da Serra de Montejunto, abrangendo os aros concelhios de Alenquer e Cadaval. Os rapazes e homens cantam de porta em porta enquanto pintam as paredes das casas com as iniciais B R M, seguidas do ano que corre. Ao lado, fazem desenhos com vasos de flores de significados diversos, bem como outros figurando as profissões do morador (sapateiro, taberneiro, etc.). As adegas estão abertas para receber os reiseiros e matar-lhes a sede. Tudo termina alta madrugada com uma refeição colectiva. Por todas as aldeias que ainda hoje (2015) cantam os Reis Magos desta forma, a melodia do canto é comum ou semelhante. Além disso, apresentam as seguintes características comuns: o canto nocturno pelas ruas da aldeia, saudando os moradores porta a porta, saudação essa que não se limita ao elemento musical, antes inclui a pintura simbólica das paredes das casas; depois, o oferecimento de doces, filhós e bebidas aos cantadores e pintores; também a restrição ancestral de participação aos rapazes solteiros, que foi, nos últimos tempos, alargada aos homens casados, o que associa esta manifestação à conhecida Festa dos Rapazes, ainda hoje celebrada no nordeste trasmontano nesta mesma época do ano; ainda uma refeição colectiva que reúne nalguns casos a aldeia inteira e noutros apenas o grupo dos cantadores e pintores; por fim, a devoção às Almas do Purgatório, que é assinalada em todos os textos poéticos cantados (o que também ocorre, nesta mesma quadra, em algumas aldeias do nordeste trasmontano).

Mais: Tradições Musicais da Estremadura, p.149 a 170. Discografia: Faixas 10, 11 e 12 do CD 2 que acompanha esse livro.

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *